Quarta-feira, 27 de Outubro de 2004

Porque Escrevo?

Ontem, ao mundo eu disse poesias,
Daquelas que em si a si mesmas definem
E que na alma o silêncio imprimem:
Metade em respeito que já se esquecia,
Metade em resposta a uma rima vazia!


Na seqüência dos versos eu vou me relendo:
"- Quem é o autor dessas letras tão pobres?"
"- Das rimas? Do som dedutível das vozes?"
"- Quem construiu tal poema tremendo?"
"- Calando e dizendo, calando e dizendo...?"


Então vejo o poema por mim assinado,
E mais do que os versos, o número espanta:
"- Um cento de textos é comemorado?"
"- Ou nem merecia sequer ser citado?"
Se boa ou terrível, a poesia é tanta
Que em vergonha e em louvor eu me vejo calado.


Centenas de versos, transborda um amor
Que inspira dos textos tamanha remessa;
Transbordam amigos do lado amador
Que sustentam o vício deste escritor;
E ao Deus que dará tudo aquilo que eu peça


 


António Soares


27-10-2004

publicado por antoniopiressoares às 12:41
link do post | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
23

24
25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Página de Homenagem póstu...

. Mensagem de Adilia Pires ...

. Homenagem póstuma a Antón...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

.arquivos

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds